Dicas: Que horário marcar o casamento no convite?

Essa é uma pergunta que recebo com frequência. Se você vai se casar ao ar livre e quer ter a cerimônia durante o dia e festa à noite já deve ter feito esta pergunta: qual é o melhor horário para marcar o casamento no convite?

Quando um casal escolhe se casar ao ar livre, entendo que um dos fatores decisivos para que tivessem escolhido aquele determinado lugar tenha sido justamente a natureza, a vegetação, a paisagem, ou seja, tudo o que cerca e envolve o local do casamento. Essa é a grande graça do local, o charme, o atrativo principal.

Sendo assim, nada mais lógico do que se casar durante o dia, pois à noite nada disso estaria visível da mesma maneira e com o mesmo encanto que a luz natural proporciona. Muita gente também gosta que a festa seja à noite, pra que a balada seja mega animada (já vi muitos casamentos onde a balada também foi durante o dia e estava animadíssima, mas entendo totalmente quem queira que seja à noite). Acho que, neste cenário, fazendo dessa forma - cerimônia durante o dia e festa durante a noite - os casais tem o melhor dos dois mundos


O horário do pôr do sol: Pouca gente sabe, mas se você pesquisar “horário do pôr do sol” no google aparecem vários sites que te dão essa informação com precisão. Você pode inclusive escolher a data do seu casamento. Esse horário que os sites mostram é exatamente o limite do horário que poderemos fazer fotos usando somente a luz natural. A partir desse momento teremos que usar luz artificial (alguns fotógrafos usam flash, outros usam luz contínua) e então o efeito já não é mais o mesmo.

Eu penso que já que o casal está se casando ao ar livre, nada mais legal do que ter um tempinho para fazer fotos dos dois após a cerimônia ainda com a luz do dia, mostrando toda a beleza do local que escolheram. A luz natural é a melhor aliada de uma foto bonita. A pele fica mais bonita, os olhos ficam mais brilhantes, o penteado aparece em detalhes e o cabelo fica lindo com aquele brillhinho dourado do sol batendo nos fios.

Obs.: De forma alguma estou dizendo que a foto noturna fica feia. Estou dizendo que o efeito de uma foto noturna e de uma foto diurna são absolutamente diferentes e o objetivo aqui é justamente orientar quem quer ter as fotos diurnas. Se você quer fotos noturnas, ignore este post. :) Esse post é dedicado a quem quer se casar ao ar livre. Os casamentos clássicos e noturnos, normalmente realizados em igrejas, tem toda a sua magia especial também. Já falei aqui algumas vezes que eu também AMO os clássicos COM FORÇA! hehe


O atraso:  Esse fator é fundamental e na maioria das vezes é menosprezado ou subestimado. A maioria das noivas me diz: “Rê, mas eu não vou me atrasar, vou ser pontual.”

Amiga, eu acredito em você! :) O grande problema é que a maioria das noivas não se atrasa mesmo. Quem se atrasa são os outros. hehe

Em casamentos ao ar livre os convidados estão mais relax, não tem aquela pressão da pontualidade de uma igreja. A maioria acaba pensando que se atrasar só “15 minutinhos” não tem problema. Muitos convidados também se atrasam pois se perdem, já que nem sempre o acesso aos locais é tão simples e normalmente estão indo para aquele local pela primeira vez. Acontece então que a noiva não consegue fazer sua entrada enquanto os convidados estão entrando, passando, se acomodando. Fica feio, bagunçado, então é necessário esperar. A pobre da noiva só leva a fama de atrasada, mas a culpa muito raramente é dela.

Também podem acontecer imprevistos. Ninguém quer, é claro, mas pode acontecer. Tudo o que você NÃO quer é ficar preocupada e estressada bem no dia do seu casamento. O ideal é fazer tudo com calma e tranquilidade, então é sempre bom ter uma margem de segurança em relação ao atraso ao invés de contar com o tempo mínimo.

Vou ser muito categórica aqui: eu fotografo há muitos anos e eu NUNCA vi um casamento ao ar livre (praia, campo, fazenda…) começar com menos de 50 minutos de atraso. E nunca é “culpa” da noiva.

Quando digo 50 minutos de atraso, quero dizer o horário que os padrinhos/noivo efetivamente começam a entrar no cortejo para a cerimônia. A formação da fila começa antes. Na grande maioria das vezes o atraso é superior a 01 hora. Sei disso com propriedade pois a câmera registra a hora em que cada foto foi clicada. rs

Reafirmo: as pessoas tendem a subestimar esse atraso; acham que vai ser só meia horinha, mas nunca é. Quando se trata de luz natural, até 15 minutos fazem toda a diferença nas fotos.


Então vamos fazer as contas: 

No dia que estou escrevendo este post (19/09/14) os sites mostram que o horário do pôr do sol será às 18h02.

Vamos considerar o atraso de 01 hora, conforme explicado acima.

Vamos considerar que as cerimônias duram, em média, 45 minutos.

Vamos separar também 45 minutos para fazer fotos dos noivos sozinhos e também fotos dos padrinhos.

Tempo total = 2 horas e 30 minutos.

Horário do pôr do sol ‘menos’ Tempo total (18:02 ‘menos’ 2h30)

Horário para marcar no convite = 15h30

Resumidamente: veja o horário que o sol vai se pôr e marque o casamento duas horas e meia antes.


Importante: Lembre-se dos dias que estarão no horário de verão e que no inverno o dia é muito mais curto e o sol se põe mais cedo. Por isso é tão importante olhar nos sites o horário correto do pôr do sol. A data vai influenciar diretamente na luz, pois em cada época do ano o sol se põe em um horário diferente.


Exemplos: Vou mostrar dois exemplos de casamentos realizados no mesmo lugar. Não existe “certo ou errado” (sempre vai depender do seu gosto e da sua opção), mas reparem que no exemplo 01 ainda temos luz natural para fazer fotos dos noivos após a cerimônia. No exemplo 02 já necessitamos usar luz artificial do meio da cerimônia em diante e durante as fotos dos noivos não pudemos aproveitar o espaço ao ar livre.

Exemplos: 

01: Casamento em junho, marcado às 15h30, com início efetivo às 16h30 (com luz do dia no pós-cerimônia)

02: Casamento em maio, marcado às 15h30, com início às 16h20 (com luz do dia após a cerimônia)

03: Casamento em maio, marcado às 15h30, com início às 16h25 (sem luz do dia após a cerimônia)

04: Casamento em setembro, marcado às 15h30, com início às 16h30 (com luz do dia após a cerimônia)

05: Casamento em agosto, marcado às 16h00, com início às 17h20 (sem luz do dia após a cerimônia)

06: Casamento em novembro, marcado às 17h00, com início às 18:10 (com luz do dia após a cerimônia)

É importante considerar também que algumas cerimônias são mais longas que outras e é por isso que o casamento no casamento 02 ainda tínhamos luz do dia e no casamento 03 não, mesmo tendo começado no mesmo horário e em datas parecidas. Também é preciso considerar que em dias nublados há menos disponibilidade de luz.

LINKS INDISPONÍVEIS NO MOMENTO. ATUALIZAREMOS NOS PRÓXIMOS DIAS.

As vantagens: Além de ter fotos lindas (meu objetivo principal ao escrever este texto imenso, é obvio! haha) outra vantagem maravilhosa em ter um casamento que comece “cedo” é que os convidados aproveitam mais a festa. Muita gente acha que ao marcar o casamento cedo ele terá uma duração menor, mas é justamente o contrário. Os convidados estarão mais descasados e ficarão por muito mais tempo na balada. Os convidados aproveitam, dançam, se divertem, depois olham no relógio e pensam “nossa, ainda é cedo, vou ficar mais tempo!”. :)

Se tiver alguma dúvida deixe nos comentários ou me mande um email.

Beijos

Texto escrito por Rejane Wolff. Cópia sem autorização proibida. 


Álbum Fineart: Uma jóia de família

Fizemos este Álbum Fineart com as fotos do casamento dos queridos Fernanda e Fernando.

“Mas afinal, o que é um álbum fineart?”, você deve estar se perguntando. Pois bem, é simplesmente o que existe de mais nobre e mais premium no quesito álbum fotográfico.

As folhas desse álbum são 100% algodão e são importadas da Alemanha, da marca Hahnemühle. Este papel é tão especial que não amarela mesmo depois de décadas.

A impressão é feita em jato de tinta, com pigmentos especiais. É uma pena que a gente não consiga ver isso nas fotos desse post (afinal, é foto da foto! rs), mas muitos clientes comentam comigo que essa impressão parece ‘3D’. A nitidez é tanta que parece que a foto está saindo do papel.

Sabe uma foto maravilhosa que você vê em uma galeria de arte? Geralmente é feita neste tipo de papel, com este tipo de impressão.

Este álbum é feito para ser uma jóia de família. Geralmente, faço o álbum fineart com uma seleção das melhores e mais emocionantes fotos do casamento.

O álbum da foto foi finalizado com encadernação totalmente artesanal, costurada, com capa em couro legítimo.

Fotos: Rejane Wolff e Daniel Poletto / Impressão: Gicleria / Encadernação: Fernanda Tuenze


Álbum: Estamparia e personalidade

Este álbum lindo chegou na semana passada e não resisti. Tive que fotografar!

Quando vi o convite dos noivos, desenvolvido pela Susana Fujita, tive a idéia de transferir a mesma estampa para o álbum.

Sempre que possível, proponho manter a mesma identidade visual desenvolvida para o casamento, transpondo essa identidade para o álbum e assim criando uma memória física e tangível de tudo aquilo que foi sonhado e planejado para o grande dia. Cada álbum é único!

Transferimos então a estampa do convite para a capa, que é um tipo de canvas, através de impressão de alta resolução.

A caixa do álbum foi feita em couro azul marinho legítimo, com o monograma dos noivos em baixo relevo.



Casamento: Juliana e Rafael

Um dia de vento. Passou voando.

Foi essa a sensação que a Jú me contou que ficou do seu casamento: a de que passou tudo voando.

E passa mesmo, Jú! Chega a ser um clichê eu dizer isso. Eu me casei há dez anos e ainda me lembro da sensação de que eu não aproveitei nada da festa. Me lembro dos convidados vindo se despedir de mim e eu pensando “mas já???”. Cheguei a pensar que algo estivesse dando errado, que a comida tivesse acabado, sei lá. Mas não, estava tudo certo. É que os noivos realmente ficam tão cheios de adrenalina, na maioria dos casos, que não percebem o tempo passar. 

A gente quer abraçar todo mundo, quer dançar, QUER COMER (rs), quer poder parar por dois minutinhos para apenas apreciar todo o seu casamento. Mas não, a noiva não tem dois minutinhos. O tempo passa voando.

Voando como o véu da Jú que, para minha alegria, insistia em ficar dançando no ar durante a sua cerimônia. 

Que vento forte naquele dia. Que cerimônia mais linda de se ver. 

Local: Fazenda Santa Gertrudes


Casamento: Fernanda e Fernando

Tem pessoas que a gente gosta de graça. Já ouviu essa expressão?

Pois é, eu gostei dos Fês de graça. Foi uma empatia imediata e eu estava ansiosa para que o casamento deles chegasse. Depois da primeira reunião, também nos vimos no dia do ensaio fotográfico e também durante um dos workshops de fotografia que eu ministrei (a Fer bem que tinha me contado na primeira visita que amava fotografia).

Os dois são cardiologistas e se conheceram na faculdade, mas durante todos os anos do curso não tiveram contato. Por “coincidência” foram trabalhar no mesmo hospital e um dia ele a convidou para tomar um café. Eita cafezinho promissor. rs

Eu sabia que o casamento dos dois seria especial, mas não imaginava o quanto. Editei as fotos sorrindo e mal esperava pela hora de publicar as imagens.

A noiva se arrumou no apartamento de sua mãe e, enquanto eu fotografava o vestido, ela ficava ali no cantinho, namorando o bendito. Quando você vê que a noiva está feliz e segura com as suas escolhas, isso já é um bom prenúncio. rs

Por falar em bom prenúncio, quando me falam que o casamento é judaico, eu já espero logo uma festa animada e essa não me decepcionou nem um pouco. Vai ter mosh? Me chama? Vai ter noiva fazendo air karaoke? Me chama? Vai ter beijo e agarração? Me chama também!

Ao fim da festa os noivos quiseram fazer algumas fotos na cobertura do Hotel Unique. Quem fez os cliques foi meu esposo e sócio, Daniel Poletto.


Using Format